Arquivo de setembro \29\UTC 2009

29
set
09

Bored to Death S01E02 – The Alanon Case

The Alanon CaseDepois de um começo um tanto quanto decepcionante, o segundo episódio de “Bored to Death”conseguiu animar um pouco as coisas. Mas, ainda vai ter que melhorar um pouco mais as coisas para me conquistar.

Meu principal problema até agora com a série é a falta de uma história que conduza a temporada. Essa estrutura com os episódios independentes, onde cada um é apenas o caso da semana pode ser problemática. Isso acontece pois, ao mesmo tempo que possibilita que qualquer pessoa que nunca tenha assistido à série passe a acompanhar tudo sem se sentir perdido, esse tipo de apresentação possui uma dificuldade em tornar os espectadores eventuais em espectadores fiéis. E a partir do momento em que perder um episódio de um seriado não faz diferença, nosso interesse diminui.

O caso desse episódio envolveu um mulher, um tanto quanto neurótica e ciumenta, que acha que seu marido a está traindo. Jonathan é contratado para o caso e acaba descobrindo que o tal marido é amigo de sua ex-namorada, o que gera todo o conflito. Algumas tiradas boas e, claro, Zach Galifianakis salvam o episódio. E é uma pena, mas Ted Danson ainda parece meio perdido nesse universo todo.

Então, enquanto “Bored to Death” não investir numa história que realmente nos envolva ao longo da temporada, acho difícil que alguns poucos momentos a tornem imperdível. Afinal, uma série precisa de um público fiel, e essa vai ter que trabalhar bem para conquistar o seu.

28
set
09

A Prisão de Roman Polanski

Depois de passar um fim de semana meio isolado do mundo do entretenimento em virtude de uma viagem, me deparo com uma notícia que me deixou chocado nessa manhã de segunda-feira: Roman Polanski foi preso no último sábado na cidade de Zurique.

O vencedor do Oscar por “O Pianista” tinha ido à Suíça receber um prêmio de homenagem em um festival de cinema. Entretanto, as autoridades do país souberam antecipadamente de sua chegada e, com isso, armaram uma emboscada para o diretor no seu desembarque no aeroporto.

Prisão em 78.

Prisão em 78.

A perseguição a Roman Polanski começou em 1977, quando ele foi acusado de estuprar uma garota de 13 anos em uma festa do seu amigo Jack Nicholson, com quem tinha trabalhado 3 anos antes no filme “Chinatown”. Polanski foi indiciado em 78, confessou que teve relações com a garota e chegou a passar alguns dias na cadeia, mas saiu após pagar fiança. Em liberdade, fugiu para a Europa e se refugiou na França, onde estava até então.

Como a França não possui acordo de extradição com o governo norte-americano, o diretor ficou seguro por essas três décadas. Mas na Suíça, o cenário é diferente, já que tal acordo existe e Polanski corre o risco de ser extraditado para os Estados Unidos, onde teria que responder pelas acusações e correria o risco de ser condenado a prisão perpétua.

O Bebê de Rosemary.

O Bebê de Rosemary.

Deixando um pouco de lado todo esse jogo político, onde os Estados Unidos mais uma vez tentam mostrar que têm poder para fazer o que quiserem, podemos aproveitar a oportunidade para apreciar os grandes trabalhos que Roman Polanski trouxe às telas de cinema. Afinal, ele que dirigiu um dos clássicos do terror psicológico: “O Bebê de Rosemary”. Neste filme, Rosemary, interpretada muito bem por uma jovem Mia Farrow, vê sua gravidez cercada de eventos estranhos, após se mudar para um apartamento cheio de vizinhos suspeitos, a partir daí, a paranóia começa a tomar conta da sua vida. Se você realmente quer sentir medo em um filme de terror, essa produção de 1968 é obrigatória.

Fora essa obra-prima do terror, Polanski dirigiu um clássico dos filmes noir: “Chinatown”, com Jack Nicholson e Faye Dunaway, atriz com quem o diretor brigava constantemente no set de filmagens (ele chegou até a arrancar alguns tufos de cabelos de Faye). E, claro, talvez o filme mais famoso dele nos dias de hoje: “O Pianista”, filme que lhe rendeu o Oscar e que lançou Adrien Brody ao estrelato.

Polanski e Deneuve em "Repulsa ao Sexo"

Polanski e Deneuve em "Repulsa ao Sexo"

Por fim, gostaria de deixar como dica o filme do diretor polonês que considero o seu melhor de todos: “Repulsa ao Sexo” (Repulsion) de 1965. Aqui, uma sublime Catherine Deneuve é deixada em casa sozinha, devido a uma viagem de férias da irmã, e aos poucos sua repressão sexual vai levando-a lentamente à loucura. Os devaneios de Carole, o personagem de Deneuve, são marcantes e perturbadores. “Repulsa ao Sexo” é devastador e inesquecível, meu Polanski favorito.

Então, acompanharei de perto a prisão do diretor e sua possível extradição. Vamos torcer para que os apelos dos principais representantes da comunidade cinematográfica surtam efeito e essa necessidade incontrolável dos EUA de mostrarem seu poder e ostentarem seu orgulho chegue a um fim. Roman Polanski deve ser libertado.

25
set
09

Dicas – Festival do Rio 2009 – Parte Final

Então, como parte final do preview do Festival do Rio, teremos um padre vampiro, vale-tudo,  matadores de nazistas e até vampiras lésbicas. Mais 9 dicas do que ver no maior evento de cinema da cidade maravilhosa.

Matadores de Vampiras Lésbicas (Lesbian Vampire Killers)

Quero sangue de fancha!!!Os amigos Fletcher e Jimmy, dois azarados, decidem passar um feriado no campo para fugir de seus problemas. Chegando a um remoto vilarejo, são conduzidos pelo povo local a um lugar afastado, para servirem de sacrifício humano. A cidade sofre de uma maldição lançada por Carmilla, a Rainha Vampira Lésbica, que acomete as belas meninas de 18 anos que passam por ali. Ao cair da noite, as beldades revelam seu gosto por sangue, e pela carne uma das outras. Para salvar suas vidas, os dois amigos terão que superar seus medos e suas fantasias para se tornarem matadores de vampiras lésbicas.

 

Vida de Balconista

Será que sou cult ou pseudocult?Um dia muito louco de um balconista de uma locadora. Pode-se dizer que é uma versão nacional do filme “Clerks” de Kevin Smith. Então, o filme deve ser recheado de referências ao mundo cinematográfico, principalmente aos clássicos modernos.

 

Tokyo!

Felizes na mais bela cidade do mundo!Filme em três episódios. Em “Design de Interiores”, um jovem casal se muda para Tóquio, e enquanto ele tenta se tornar cineasta, ela se distancia do namorado, até descobrir uma estranha transformação em seu corpo. Já em “Merda”, um misterioso homem, chamado pela mídia de “criatura dos esgotos”, espalha confusão nas ruas de Tóquio com seu comportamento destrutivo, até ser preso e julgado. Em “Sacudindo Tóquio”, um jovem vive isolado por mais de dez anos em seu apartamento, sem qualquer contato com o mundo. Durante um terremoto, uma entregadora de pizza desmaia em sua porta, e ele acaba se apaixonando.

 

Dançando com o Diabo

Drogas, armas e baile funk.Setembro de 2008, nos becos escuros das favelas cariocas: Homem Aranha, 28 anos, chefe do tráfico da Coréia, faz a ronda do seu domínio sem poupar críticas à corrupção da polícia e a mídia sensacionalista; o delegado Leonardo Torres, policial marombado da Delegacia de Repressão aos Narcóticos, avança agachado ao invadir o Complexo do Alemão no meio de um tiroteio; Pastor Dione tenta evangelizar almas perdidas enquanto negocia a paz entre grupos rivais como mediador. Sem disfarçar identidades, o documentário penetra num conflito que gera uma das taxas de mortandade mais elevadas do mundo.

 

Os Gracies e o Nascimento do Vale-Tudo

Krav Magá é o caralho. O negócio é Vale-Tudo.Em 1914, Carlos Gracie teve suas primeiras aulas de jiu-jitsu em Belém do Pará. Onze anos depois chegou ao Rio de Janeiro, onde fundou uma academia de autodefesa. Ali promoveu uma competição de lutas sem regras, que seria a primeira de muitas. Nasceu assim o vale tudo, conhecido hoje em todo o mundo. Carlos teve 21 filhos com seis mulheres diferentes, dando origem a um clã de lutadores, conhecido como a família Gracie. As três gerações, que reúnem 47 faixas-pretas, falam sobre sua dinâmica familiar incomum e explicam por que julgam seu estilo de luta o mais eficiente do mundo.

 

The Chaser (Choo Gyeok Ja)

Procurando.Jung-ho é um antigo policial que agora ganha a vida como cafetão. Recentemente, perdeu várias de suas garotas, que sumiram deixando-o cheio de dívidas. Logo após enviar Mi-jin para um homem desconhecido, ele conclui que este mesmo cliente é o responsável pelos desaparecimentos, e decide ir atrás dele. Ao localizá-lo, o sujeito confessa ter matado uma dúzia de mulheres, mas não há provas para prendê-lo. Para piorar, Mi-jin está sumida. Certo de que ela ainda está viva, Jung-ho assume a missão de encontrá-la nas doze horas restantes de detenção sem mandato do assassino. Festival de Cannes 2008.

 

Boy

Voar, Voar, Subir, Subir.Em Manila, um poeta adolescente vai a um bar, onde passa a noite observando drag queens cantando e homens seminus dançando. Em determinado momento se vê atraído pelo dançarino Aries, morador de uma área pobre da cidade. O rapaz decide, então, vender seus bonecos de ação e seus quadrinhos para conseguir pagar uma noite com o objeto de sua atração. Conseguindo o dinheiro necessário, compra o dançarino por toda a noite de Ano Novo. Enquanto os fogos explodem celebrando a virada, os dois jovens desenvolvem um relacionamento que nenhum dos dois sabe o quanto poderá durar.

 

Bastardos Inglórios (Inglourious Basterds)

O Melhor desde Pulp Fiction?!?!?!?No início da ocupação nazista na França, a atriz alemã Shosanna Dreyfus testemunha o extermínio de sua família pelo coronel Hans Landa. Fugindo para Paris, forja uma nova identidade e vira dona de um cinema. Em outro ponto da Europa, o tenente Aldo Raine reúne um grupo de soldados judeus americanos. Apelidados de “Os Bastardos”, organizam pequenos e brutais atos de vingança contra os nazistas, visando derrubar o regime. As duas histórias se unem debaixo de uma marquise de cinema, onde Shosanna prepara sua própria vingança. Melhor Ator (Brad Pitt) no Festival de Cannes 2009.

 

Sede de Sangue (Bak-Jwi)

Nunca provei True Blood, será que é bom?Sang-hyun, padre querido na cidade onde vive se oferece como voluntário para os testes de uma vacina contra um novo vírus letal. Infectado acidentalmente com o vírus, seu corpo desfalece. No entanto, uma transfusão de sangue de última hora o traz milagrosamente de volta à vida. Transformado em vampiro, ele passa a ter um grupo de devotos seguidores que acreditam que ele possui o dom da cura. O padre, no entanto, precisa lidar com outras preocupações: o desejo incessante por sangue, e a paixão pela mulher de um amigo de infância. Prêmio do Júri no Festival de Cannes de 2009.

24
set
09

Dicas – Festival do Rio 2009 – Parte 1

Essa semana não haverá Loteria Cinematográfica, mas é por uma razão especial. Amanhã começa a 12ª edição do Festival de Cinema do Rio. Vão ser mais de 300 filmes, provenientes de 60 países e distribuídos em 20 mostras, em 40 locais de exibição. E assim começa mais duas semanas de maratona pra esse que vos escreve.

No evento de 2007, assisti a 13 filmes, já no ano seguinte, consegui aprimorar o número para 23 títulos. Esse ano, devido a uma viagem e outras atividades, encaixei apenas 17 filmes na minha programação. Mas o que importa é a qualidade e não a quantidade, não é? Então, abaixo está a sinopse de oito dos dezessete filmes que verei. A segunda parte vem amanhã.

  

(500) Dias com Ela ((500) Days of Summer)

Todo apaixonado...Tom, jovem tímido, formou-se em Arquitetura, mas trabalha escrevendo cartões de felicitações. Solitário e frustrado, não vislumbra grandes rumos em sua vida. Mas quando seu chefe contrata uma nova secretária, Summer, ele vê seu ideal de amor tomar finalmente forma. Linda, espirituosa e inteligente, ela gosta das mesmas coisas que ele. Eles saem algumas vezes, e a lista de afinidades não para de crescer. Tom se apaixona perdidamente, mas Summer, que acredita que o amor não passa de uma fantasia, quer apenas se divertir.

 

 

Sinos Silenciosos (Wu Sheng Feng Ling)

"Nossas vidas vão mudar.... agora!!!"O chinês Ricky e o suíço Pascal mudaram-se há pouco para Hong Kong, onde Ricky trabalha como garçom e Pascal como artista de rua, praticando pequenos roubos ocasionalmente. Um dia seus caminhos se cruzam e a vida deles muda completamente. Festival de Berlim 2009.

 

 

Singularidades de uma Rapariga Loura

Macário e Luísa.Macário trabalha como contador no armazém de seu tio Francisco, em Lisboa. É o seu primeiro emprego. Do outro lado da rua, mora Luísa Vilaça, a rapariga loura por quem se apaixona no instante em que a vê. Imediatamente, decide desposá-la. O tio discorda, mas Macário não desiste da amada. Baseado no conto homônimo de Eça de Queiroz.

 

Abraços Partidos (Los Abrazos Rotos)

O dedinho é o charmeHá 14 anos, o cineasta Mateo Blanco sofreu um trágico acidente de carro no qual perdeu simultaneamente a visão e sua grande paixão, Lena. Sofrendo aparentemente de perda de memória, abandonou sua persona de cineasta e preservou apenas sua faceta de escritor, cujo pseudônimo é Harry Caine. Um dia, Diego, o filho de sua antiga e fiel diretora de produção, sofre um acidente, e Harry vai em seu socorro. Quando o jovem indaga Harry sobre seus dias de cineasta, o amargurado homem revela se lembrar de detalhes marcantes de sua vida e do acidente. Competição do Festival de Cannes 2009.

  

Distrito 9 (District 9)

Cuidado com os aliens favelados.Trinta anos atrás, alienígenas desembarcaram na Terra. As criaturas foram deixadas no Distrito 9, uma área isolada na África do Sul, enquanto os líderes mundiais decidiam o que fazer. Desde então, nada aconteceu. Hoje, os aliens estão sob controle da MNU, uma empresa privada que pretende lucrar com suas poderosas armas. 

 

The White Ribbon (Das weiße Band)

Bênção?Às vésperas da Primeira Guerra Mundial, estranhos eventos perturbam a calma de uma pequena cidade na Alemanha. Uma corda é colocada como armadilha para derrubar o cavalo do médico, um celeiro é incendiado, duas crianças são sequestradas e torturadas. Gradualmente, estes incidentes isolados tomam a forma de um sinistro ritual de punição, deixando a cidade em pânico. O professor do coro de crianças e jovens da escola local investiga os acontecimentos para encontrar o responsável, e aos poucos desvela a perturbadora verdade. Palma de Ouro de Melhor Filme no Festival de Cannes 2009.

 

 

Black Dynamite

"Eu sou foda!"Black Dynamite é um excelente lutador de kung fu, anda carregado de armas e é capaz de conquistar as mais belas mulheres, além de ostentar um imponente penteado black power. Quando a máfia italiana assassina seu irmão, distribui heroína em orfanatos negros e espalha pinga adulterada pelo gueto, Black Dynamite é obrigado a agir. Com uma elegância à altura dos maiores ícones do cinema blaxploitation dos anos 70, ele é o único herói disposto a enfrentar qualquer perigo nas ruas banhadas de sangue da cidade.

 

 

O Dia da Transa (Humpday)

Vamos mandar ver?Ben tem um emprego fixo, leva uma vida tranquila ao lado da esposa e prepara-se para construir uma família. Andrew, seu antigo colega de faculdade, tornou-se um artista de rua que viaja pelo mundo. Um dia Andrew aparece no meio da noite e propõe a Ben uma volta aos velhos tempos de folia, arrastando-o para uma festa regada a álcool, drogas e sexo. Quando surge o assunto de um concurso pornô, os dois amigos se desafiam mutuamente a participar. Juntos, decidem que o filme mais audacioso que poderiam fazer seria se transassem um com o outro diante da câmera.
24
set
09

Heroes S04E01 – Orientation e S04E02 – Jump, Push, Fall

E na segunda-feira, dia 21 de setembro de 2009 começou aquela que vai ser a última temporada de “Heroes”. Independentemente da qualidade dos episódios que foram transmitidos, as medições de audiência nos EUA não foram generosas com a série das pessoas comuns com poderes especiais. E, a não ser que algo extraordinário aconteça, posso afirmar que faltam 18 episódios para “Heroes” acabar de vez.

Claire se divertindo na faculdade.

Claire se divertindo na faculdade.

Ao começar a assistir o episódio, comecei a me contorcer devido aquelas gemidos que compõem a trilha sonora do seriado. Eles trazem más lembranças, não consegui evitar. Passado isso, pude me concentrar na história e constatei que eles fizeram uma espécie de recomeço. Claire de volta à escola, Peter de volta ao trabalho de paramédico, Hiro e Ando de volta ao Japão. Tudo sinal de que os produtores querem, de qualquer modo, voltar aos bons tempos da primeira temporada. E esse, na minha opinião, é o maior erro de “Heroes”.

Programas de TV são interessantes por serem novidades, já que ver a mesma coisa sempre cansa. E desde o primeiro episódio de todos, até agora, ninguém mudou, ninguém evoluiu. O Peter nunca se torna o fodão que ele poderia ser, o Hiro nunca deixa de ser criança, a Claire e o Mohinder nunca deixam de ser irritantes. Então, o medo dos roteiristas de tentar algo novo foi o que realmente levou a história e a audiência para o buraco.

Ray Park em "Heroes"

Ray Park em "Heroes"

Entretanto, tivemos algumas coisas interessantes, nesse início de ano quatro. A tentativa de assassinato do Noah pela Tracy foi legal, mas foi o máximo de ação que vimos. Já os personagens novos se destacam principalmente pelo Robert Knepper (que fez o T-Bag de Prison Break e agora faz o mesmo papel de novo, o que não é de todo ruim) e pelo Ray Park (que fez o Darth Maul em Star Wars e o Groxo em X-Men, além do Snake Eyes em G.I. Joe), que ocupam agora o posto de vilões do volume.

De resto, acho que não vale a pena gastar tempo com a história da Claire e da morte da colega de quarto dela. Pelo menos, isso abre espaço para a conversão dela em sapatão, se for acontecer mesmo. A briga de Nathan e Sylar pelo mesmo corpo pode se tornar em algo interessante. Já a briga entre Matt e Sylar dentro da mente dele está sendo um saco. Quem ainda agüenta o clichê do cara que grita com a pessoa que só ele vê e todos passam a tratá-lo como louco? Menos criatividade, “Heroes”, assim vocês me deixam sem graça.

É uma pena constatar que, mesmo que o seriado faça algo bom, ele não vai mais conseguir se levantar. A credibilidade que esses personagens tinham com o público se desgastou tanto que, enfim, acabou. Sem credibilidade não há boa vontade, e sem isso é melhor parar logo com tudo.

23
set
09

Bored to Death S01E01 – Stockholm Syndrome

Stockholm SyndromeUma comédia noir, era isso que prometiam os anúncios da nova série da HBO, “Bored to Death”. Com um título interessante, elenco talentoso e produção de primeira, o programa tinha tudo para dar certo. Mas algo ficou faltando nessa mistura.

Antes de qualquer coisa, não tenho como falar das primeiras impressões da série sem mencionar a abertura. Extremamente criativa e com uma bela animação, essa deve figurar entre as melhores aberturas das séries em exibição atualmente. Após isso, temos uma introdução rápida, e nosso protagonista Jonathan Ames já estava em ação, fingindo ser um detetive particular para fugir da dor do abandono pela namorada. É interessante ver que não é tão absurda a premissa depois de visto o episódio. Se dedicar a essa vida de resolver crimes é o que está afastando Jonathan das conseqüências da separação. E o fato de ele ter amigos tão ausentes e preocupados apenas consigo mesmos faz todo o argumento ainda mais crível.

Bem, agora que destaquei o que agradou, vamos ao outro lado da moeda. Achei a história desse episódio muito boba. O caso resolvido por Jonathan beirou o infantil. Não sei se essa é a intenção do seriado, mas, foge um pouco ao conceito de noir que conheço. Outro problema foi a comédia, afinal de contas, quando vejo uma série de comédia, espero rir, mas não foi o caso aqui. Talvez o texto não tenha colaborado muito, mas não conseguir mais do que simples sorrisos.

Infelizmente, esse primeiro episódio me decepcionou, esperava algo diferente, mas nem por isso vou desistir do seriado. Com uma temporada de apenas 8 episódios, posso dar uma chance aos casos de Jonathan Ames. Afinal, quem sabe com o tempo a mistura de tantos elementos promissores não se acerta?

22
set
09

Comédias ou Por Que é Melhor Rir com uma Produção Nacional?

The Hangover

The Hangover

Recentemente assisti a duas comédias no cinema com o intervalo de apenas uma semana. A primeira foi a película estadunidense “The Hangover” (lançada por aqui com o título incrivelmente ruim de “Se Beber, Não Case”, mas, afinal de contas, qual o problema com “A Ressaca”???). E o segundo foi “Os Normais 2”, continuação do filme de 2003. Independentemente da qualidade dos filmes (achei os dois bons), a comédia estrelada por Rui e Vani conseguiu me fazer rir bem mais do que “The Hangover”, e o motivo é bem simples: piadas inseridas num contexto cultural próprio do país são bem mais engraçadas.

Os Normais 2

Os Normais 2

Basta observarmos que muito do que passa nas comédias estrangeiras foge à nossa realidade. Citações a celebridades ou lugares dos quais nunca ouvimos falar, ou ainda referências a nuances da sociedade deles que nunca vivenciamos. Sem essa base, a piada se torna sem graça, o que acaba acontecendo em muitas das comédias norte-americanas recentes. Para que isso não ocorra é preciso fazer uma comédia universal, algo bem raro, principalmente hoje, onde o faturamento no mercado interno é mais bem visto que a renda do exterior.

Assim, talvez na busca do riso certo, o público brasileiro está passando a dar mais atenção às produções brasileiras desse gênero. Prova disso é o enorme sucesso que as comédias nacionais têm feito nos cinemas em 2009. “A Mulher Invisível”, “Se eu Fosse Você 2”, “Divã” e “Os Normais 2” possuem um grande percentual do público de cinema desse ano.

Os Aspones

Os Aspones

Em produções nacionais, são explorados aspectos que são próprios do Brasil, como a política, a desenvoltura do brasileiro, nossas celebridades e, claro, os bordões e palavrões. Afinal, convenhamos, é muito mais engraçado ouvir um “puta que o pariu” do que um “fuck”. Isso pode ser percebido claramente na excelente produção “Os Aspones” que, infelizmente, acabou cancelada na TV após apenas uma temporada. Onde mais poderíamos tirar sarro do nosso serviço público? Com certeza, não será por Hollywood.

Por isso que, quando quero rir, procuro um produto nacional. Já que são poucas as comédias universais, prefiro me garantir com algo que vai me dar exatamente o que preciso: uma boa gargalhada, nesse caso, de nós mesmos.